No passado domingo, dia 18 de julho, o Papa Francisco, servindo-se do Evangelho de Domingo, onde Jesus convidava os apóstolos a irem para um sítio isolado para descansar, propôs-nos, na Oração do Angelus, um desafio para o tempo de férias: «Necessitamos – prestai atenção a isto – necessitamos de uma “ecologia do coração”, que se compõe de descanso, contemplação e compaixão. Aproveitemos a temporada de verão para isto!».

As férias não podem ser um tempo em que trocamos a azáfama dos nossos trabalhos pela correria de querer tirar proveito de tudo, sem um pouco de tempo para parar e descansar. Diz-nos o Papa: «Aprendamos a parar, a desligar o telemóvel, a contemplar a natureza, a regenerar-nos no diálogo com Deus».

E é precisamente quando paramos que somos capazes de contemplar, de ver com olhos de ver… «Na verdade, só o coração que não se deixa levar pela pressa é capaz de se comover, ou seja, de não se deixar arrebatar por si mesmo e pelas coisas a fazer, e de se dar conta dos outros, das suas feridas, das suas necessidades. A compaixão nasce da contemplação. Se aprendermos a descansar verdadeiramente, seremos capazes de autêntica compaixão».

Vamos, nestas férias, viver a “ecologia do coração”?...