Como os ramos

I Domingo Advento

Iniciamos, este Domingo, um novo Ano Litúrgico, com o Tempo de Advento. Este é um tempo de espera, de vigilância, de luz…, para que Jesus possa nascer nos nossos corações e nas nossas vidas! Todos aqui nascemos! Em Belém, onde o Filho de Deus Se fez um de nós, unindo-nos para sempre à Sua divindade. Aí – e no Batismo – todos nascemos de novo, todos renascemos para uma outra vida, para uma vida nova, como nos afirma S. João: “Àqueles que O receberam e acreditaram no Seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus” (Jo 1,12).

Assim, entre o Natal de Jesus e o Batismo há realmente uma afinidade de raiz: ambos celebram o nascimento pelo qual todos somos dados à luz como filhos de Deus. O Batismo é a porta de entrada nesta Igreja de Jesus, na família de Deus! Grato pela graça recebida no Batismo, lê agora o Evangelho desta semana, com o apelo de Jesus à Vigilância (Mt 24, 37-44):

Naquele tempo,

disse Jesus aos seus discípulos:

«Como aconteceu nos dias de Noé,

assim sucederá na vinda do Filho do homem.

Nos dias que precederam o dilúvio,

comiam e bebiam, casavam e davam em casamento,

até ao dia em que Noé entrou na arca;

e não deram por nada,

até que veio o dilúvio, que a todos levou.

Assim será também na vinda do Filho do homem.

Então, de dois que estiverem no campo,

um será tomado e outro deixado;

de duas mulheres que estiverem a moer com a mó,

uma será tomada e outra deixada.

Portanto, vigiai,

porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.

Compreendei isto:

se o dono da casa soubesse a que horas da noite viria o ladrão,

estaria vigilante e não deixaria arrombar a sua casa.

Por isso, estai vós também preparados,

porque na hora em que menos pensais,

virá o Filho do homem.

Pelo Batismo a nossa vida passou a ser a mesma de Jesus! Tenho consciência disso? Deixo-me renovar, constantemente, para que surja em mim o Homem Novo à medida de Cristo? Estou preparado para acolher Jesus que vem ao meu encontro a cada dia? Com as palavras do Evangelho de hoje, Jesus não quer certamente assustar-nos; Ele quer, sim, é que vivamos como verdadeiros filhos de Deus, guiados pela Luz, conquistando, com Ele, todos os dias, o Reino de Justiça, Paz e Amor, que Ele veio inaugurar na Sua primeira vinda.

Para tal, ajuda-nos a refletir com três quadros distintos: a recordação do dilúvio, a nossa vida quotidiana com os seus trabalhos, e o ladrão que aproveita o dono estar a dormir para assaltar a casa.

  • No tempo de Noé, os homens viviam numa alegre inconsciência, gozando a sua vidinha… Como é que eu encaro a minha vida, o que é, de facto, importante para mim? Estou atento aos apelos de Deus, como Noé, ou vivo apenas para mim mesmo, procurando gozar ao máximo esta vida? Cumpro a missão que Deus me confia, lutando por um mundo novo?

  • Jesus, a seguir, fala de quem está a trabalhar, na sua vida quotidiana, havendo certas diferenças… Vivo para trabalhar ou percebo que existem outras prioridades? Conduzo a minha vida focado em enriquecer e em realizar-me profissionalmente, ou sou capaz de me voltar para os outros, a quem dou o meu tempo e o meu amor?

  • Finalmente, não estarei adormecido? Vivo de olhos bem abertos, atento a tudo o que me rodeia, e descobrindo nos irmãos a presença de Jesus que vem ao meu encontro, ou estou voltado para mim mesmo, pouco ou nada preocupado com o que se passa à minha volta?

Lembra-te… A tua luz não se apaga quando ajudas a acender a do próximo! Bem pelo contrário: quanto mais a ofereces aos outros, mais a tua luz se torna intensa e brilhante! Por isso, está vigilante, toma consciência da graça recebida no teu Batismo, e descobre a presença de Jesus em todas as circunstâncias da tua vida e nos irmãos que estão ao teu lado!