Como os ramos

XXXIII Tempo Comum

Se na última semana Jesus nos falou acerca da Ressurreição como uma vida completamente nova e diferente, que nos fará viver em comunhão plena com Deus e com os irmãos, esta semana convida-nos a viver na expectativa do Reino definitivo, mas de “mangas arregaçadas”, dando testemunho d’Ele com coragem e coerência, e confiando sempre na Sua presença junto de nós! Como filho de Deus que sou, acredito e luto, todos os dias, pela eliminação deste mundo velho, marcado pelo pecado e pelo egoísmo, para que surja esse mundo novo de felicidade e bem-estar para todos? Com a nossa mente aberta, prestemos atenção às palavras de Jesus no Evangelho deste Domingo(Lc 21, 5-19):

Naquele tempo,

comentavam alguns que o templo estava ornado

com belas pedras e piedosas ofertas.

Jesus disse-lhes:

«Dias virão em que, de tudo o que estais a ver,

não ficará pedra sobre pedra:tudo será destruído».

Eles perguntaram-lhe:

«Mestre, quando sucederá isso?

Que sinal haverá de que está para acontecer?»

Jesus respondeu:

«Tende cuidado; não vos deixeis enganar,

pois muitos virão em meu nome

e dirão: "sou eu"; e ainda: "O tempo está próximo".

Não os sigais.

Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas,

não vos alarmeis:é preciso que estas coisas aconteçam primeiro,

mas não será logo o fim».

Disse-lhes ainda:

«Há-de erguer-se povo e reino contra reino.

Haverá grandes terramotos

e, em diversos lugares, fomes e epidemias.

Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu.

Mas antes de tudo isto,

deitar-vos-ão as mãos e hão-de perseguir-vos,

entregando-vos às sinagogas e às prisões,

conduzindo-vos à presença de reis e governadores,

por causa do meu nome.

Assim tereis ocasião de dar testemunho.

Tende presente em vossos corações

que não deveis preparar a vossa defesa.

Eu vos darei língua e sabedoria

a que nenhum dos vossos adversários

poderá resistir ou contradizer.

Sereis entregues até pelos vossos pais,

irmãos, parentes e amigos.

Causarão a morte a alguns de vós

e todos vos odiarão por causa do meu nome;

mas nenhum cabelo da vossa cabeça se perderá.

Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas.

Um apontamento inicial: S. Lucas escreve o seu Evangelho na década de 80, quando o Templo de Jerusalém já foi destruído e, mais importante ainda, quando as dificuldades e as perseguições para as primeiras comunidades cristãs já eram uma realidade. Assim, as palavras de Jesus tornavam-se uma força para os cristãos que não deviam estar já à espera do fim, de uma segunda vinda de Jesus para instaurar definitivamente o Reino, mas deveriam continuar a lutar para que esse mundo novo surgisse, mediante um compromisso sério no seguimento de Jesus.

O centro deixou de ser Jerusalém, cujo Templo foi destruído! O novo Templo é o próprio Jesus, esse Jesus que está presente em cada irmão! Quantas vezes nós também ficamos agarrados à beleza e ao brilho das coisas, mesmo na Igreja, e esquecemos o essencial? Para que o mundo novo surja é preciso que o antigo seja apagado, e nos abramos, de facto, à novidade de Jesus!

Daí que também não devamos viver obcecados pelas ideias do fim do mundo; essas vozes não transmitem o sentir de Jesus! Importa, sim, é vivermos de cabeça levantada, sem medos, procurando testemunhar Jesus e o seu Evangelho, com a nossa vida e as nossas atitudes, não temendo sequer as perseguições, porque Ele estará sempre connosco!

Tenho sido perseverante no seguimento de Jesus? Deixo-me guiar pelo Seu Espírito ou prefiro acomodar-me apenas às tradições e aos rituais externos? Vivo de aparências ou testemunho realmente o que sou e o que sinto? Dentro de mim, luto para que seja vencido o homem velho, agarrado aos bens materiais e à vida fácil, e nasça o homem novo ao estilo de Jesus?

Abrindo-te à presença de Jesus na tua vida, sê audaz na vivência do Evangelho. Não precisas fazer coisas extraordinárias; simplesmente, faz tudo com amor, pensando em servir sempre a Deus e aos irmãos. Desse modo, o Reino de Deus, de felicidade e bem-estar para todos, estará muito mais perto!