Como os ramos

IV Domingo Advento

O Evangelho do último Domingo do Advento (Ano A) descreve-nos o nascimento de Jesus, falando-nos de Maria e José, que tiveram a coragem de fazer seu o sonho de Deus! No meio de incompreensões e dificuldades deram o seu “sim” ao Senhor. De facto, o Natal que se aproxima está também marcado com o sinal da cruz, com a dor, o sofrimento, a rejeição. Este sinal marca a vida de Jesus desde o berço à Sua entrega na cruz. Este é o distintivo da nossa vida cristã. Afinal, como batizados, somos filhos amados por Deus! O sinal + na vida do cristão é a cruz!

Dispostos a aprender com Jesus a Sua forma de amar a todos, abramos o nosso coração, como José, ao sonho que Deus quer realizar connosco, para podermos alcançar a verdadeira felicidade e cumprirmos a missão que Ele nos confia. Prestemos atenção ao Evangelho desta Semana (Mt 1, 18-24):

O nascimento de Jesus deu-se do seguinte modo:

Maria, sua Mãe, noiva de José,

antes de terem vivido em comum,

encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo.

Mas José, seu esposo,

que era justo e não queria difamá-la,

resolveu repudiá-la em segredo.

Tinha ele assim pensado,

quando lhe apareceu num sonho o Anjo do Senhor,

que lhe disse:

«José, filho de David,

não temas receber Maria, tua esposa,

pois o que nela se gerou é fruto do Espírito Santo.

Ela dará à luz um Filho

e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus,

porque Ele salvará o povo dos seus pecados».

Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o senhor anunciara

por meio do Profeta, que diz:

«A Virgem conceberá e dará à luz um Filho,

que será chamado 'Emanuel',

que quer dizer 'Deus connosco'».

Quando despertou do sono,

José fez como o Anjo do Senhor lhe ordenara

e recebeu sua esposa.

Mateus, com esta passagem do seu Evangelho, quer transmitir-nos essencialmente que Jesus é filho de Deus – Maria «encontrara-se grávida por virtude do Espírito Santo» –, e que é Ele o Salvador, pois o nome “Jesus” significa precisamente “Deus salva”:«Ele salvará o povo dos seus pecados». Assim, Jesus é verdadeiramente o “Emanuel”, o “Deus connosco”! No entanto, para que este mistério se tornasse presente no meio de nós, Deus contou com a colaboração de Maria e de José, o “filho de David”, que coloca, assim, Jesus na linha da descendência de David, tal como estava prometido. É durante o sono que José percebe o sonho de Deus de nos visitar e oferece o seu “sim” aos planos de Deus!

Meditemos, então, na figura de José, o pai adotivo de Jesus:

  • A primeira referência do Evangelho é para nos dizer que José era um homem justo! Ora este adjetivo adequa-se, não só ao homem que pratica a justiça, mas também àquele que se afasta dos caminhos do mal, ao homem bom que mesmo do lado da razão, não ousa magoar o seu próximo… Revejo-me nesta característica de José? Tenho capacidade de sacrifício e doação, ou apenas defendo os meus direitos, preocupando-me só com o meu bem-estar?

  • José é também um homem obediente aos desígnios do Senhor, deixando que o sonho de Deus se torne o seu próprio sonho, o objetivo principal da sua vida! O que é que me faz correr no meu dia-a-dia: a vontade e o Projeto de Deus ou as minhas necessidades mesquinhas e egoístas?

  • Por fim, destacaríamos a humildade de José que, não sendo o pai biológico de Jesus, aceita essa missão, protegendo-O, cuidando d’Ele e amando-O de verdade! Aceito a missão que Deus me confia com humildade e amor? Sei ocupar o meu lugar na família, na comunidade e na sociedade, dando-me aos outros com gratuidade?

Recordando que a cruz é o sinal + da vida do cristão, renuncia, como José, a ti mesmo, e usa mais gestos e palavras de Amor, pois Jesus, hoje, quer continuar a ser o “Deus connosco”, nascendo no teu coração e na tua vida! Ao traçarmos na fronte, nos lábios e no peito o sinal da cruz, peçamos ao Emanuel que nos dê uma nova forma de pensar, o Seu jeito de ouvir e de falar, e a Sua bondade para amar a todos!