XXIII Domingo do Tempo Comum - Ano B

EVANGELHO - Mc 7,31-37

Naquele tempo,
Jesus deixou de novo a região de Tiro
e, passando por Sidónia, veio para o mar da Galileia,
atravessando o território da Decápole.
Trouxeram-Lhe então um surdo que mal podia falar
e suplicaram-Lhe que impusesse as mãos sobre ele.
Jesus, afastando-Se com ele da multidão,
meteu-lhe os dedos nos ouvidos
e com saliva tocou-lhe a língua.
Depois, erguendo os olhos ao Céu,
suspirou e disse-lhe:
«Effathá», que quer dizer «Abre-te».
Imediatamente se abriram os ouvidos do homem,
soltou-se-lhe a prisão da língua
e começou a falar correctamente.
Jesus recomendou que não contassem nada a ninguém.
Mas, quanto mais lho recomendava,
tanto mais intensamente eles o apregoavam.
Cheios de assombro, diziam:
«Tudo o que faz é admirável:
faz que os surdos oiçam e que os mudos falem».

 

Levanta-te e... abre-te! No gesto de Jesus vemos que Deus não quer o homem fechado, isolado do mundo e dos outros, incapaz de ouvir e de se interessar pelo que se passa à sua volta!...

Estou verdadeiramente aberto ao Outro, ao Deus que me criou e que me ama com um amor único e incondicional?... Que tempo Lhe concedo para que me fale através da Sua Palavra?... Sou capaz de me dirigir a Ele como a um Pai amado e de O louvar constantemente?...

E com os outros, sou capaz de os ouvir, de me interessar pelos seus problemas, de cultivar uma relação de respeito, solidariedade e mesmo de amizade com eles?...

Tem a coragem de te abrires aos outros: é neles, também, que tu te descobres e que te tornas em quem realmente és, filho amado de Deus e irmão de todos os outros seres humanos! O encontro autêntico com Jesus dar-te-á essa coragem e essa ousadia!